CANTIGA DE RUA

Badu

Apenas imaginários traços, hoje, restos de um espaço.
Elos em rupturas, adormecem, permanecem guardados
em riscas de luz.
Faço jus a uma e outra fantasia, dias de exuberâncias,
incansável brincadeira de infância.
Já é bem noitinha, acenamos para o partir do sol,
damos as mãos, giramos em ciranda de alegria.
Sem ter um motivo buscamos vertigens até deitarmos ao chão.
Gasto-me em sorriso, exausto descanso!
Sou o último a cair...
Transporto-me em nostalgia, aprisiono-me em pura magia.
Vou de encontro nesse tempo que se perdeu...
Algazarras, rodopios da inocência confunde sentimentos
em minha cabeça.
Ainda que pouco mais eu cresça.
Volto à rua descalça e posso sentir doce-amargo entoar.
Agora uma letra sem sentido, retrato apático de um olhar.
?Roda cutia, de noite de dia, o galo cantava e a casa caía?.
Pensamento alheio a essa dor, me alicia tímida lágrima em
cândido semblante.
Faz-se agora nesse instante,
dia sem alarido, sem sorriso de menino.
Face de homem-criança em tarde nua,
recuo,espio em fissura!
Gira, gira, cantiga de rua.

 

 

 

Jpg cantiga de roda

Wav: Se_ esta_ rua_ fosse_ minha_Bogdan_ Plech

 

 

VOLTAR