A ARCA DAS HISTÓRIAS

(Araí Santos)

 

Um profeta, antecipando a vinda de Cristo, passou pela terra com a seguinte missão: avisar a todos que dentro de pouco tempo o mundo iria acabar. Porém haveria uma chance para quem quisesse continuar aqui, desde que apresentasse um bom projeto com o que gostaria de preservar. Houve tantas sugestões, queriam salvar equipamentos de comunicação de última geração como celulares conectados à internet, para mostrar que por meio deles, a comunicação dos povos era instantânea; meios de transportes aéreos como jatos supersônicos e naves espaciais, pelos quais era possível atravessar os ares num tempo mínimo; equipamentos cirúrgicos que quase fotografam nosso interior a cores, tudo para mostrar para os homens da pós-história aonde tinha chegado a civilização. Mas houve também quem se preocupasse com coisas bem simples como preservar um cavalo para transporte, a vaca para produção do leite e na dúvida de quem surgiu primeiro, preservar tanto o ovo quanto a galinha, tudo para um recomeço. Mas vejam o projeto vencedor elaborado pelas crianças: Salvar as Histórias.

Como esse trabalho tanto poderia ser em grupo como individual, algumas crianças se reuniram para organizar tudo da melhor forma possível e foi assim que elas tiveram a ideia de construir A Arca das Histórias, onde seria possível acomodar todas, mesmo que fossem de épocas distantes. Esse projeto só ganhou porque tinha muita fantasia, pois para a realização dos testes era necessário estar caracterizado.

Olha! Foi tanta correria aos brechós, aos museus que resistiram aos séculos, à casa de descendentes de nobres para adquirirem as exclusividades. Acharam coroas de reis, sapatos de princesa, vestidos rendados, suspensórios, botas, máscaras de caolho, perucas, colares, espadas, lamparinas, enfim tudo o que era possível para a personificação.

Esse concurso foi levado tão a sério, que houve até edital com regulamento e tempo estipulados para as inscrições. O impressionante foi o número de candidatos interessados; a fila era tão comprida que dobrar a rua era pouco, chegava ao fim de quarteirões. Para vocês terem uma noção, moças de vinte anos se candidatavam para vovozinha e jogadores de voleibol permaneceram ajoelhados para concorrerem à vaga dos Sete Anões. Para disputar o papel da Madrasta Má, beatas que viviam na Igreja, furaram fila daquelas que se enquadravam nesse perfil! A concorrência era tanta que modelos se candidatavam para bruxa e na fila da Cinderela só dava miss porque já é a supremacia da beleza. Alguns políticos também se fizeram presentes e disputavam Aladim e sua Lâmpada Maravilhosa. Peões premiados até nos Estados Unidos enfileiravam-se na disputa de ser um dos Três Mosqueteiros. Mas depois de muito sol e gentilezas para com os colegas para guardar o lugar apenas para ir ao banheiro a seleção foi concluída.

Como todos os candidatos precisavam fazer o teste caracterizado, aí acumulou tanta fantasia que acabou provocando um saque; teve gente que conseguiu montar o seu próprio negócio com aquelas velharias. Mas para quem iriam vender se o mundo estava prestes a acabar?

Montadas as Histórias, estas deveriam seguir para a Arca, mas cada personagem precisava acompanhar sua História. Foi aquela confusão, pois muitos dos aprovados nem sequer as conheciam, e aí virou numa Torre de Babel. Então o Lobo Mau não poderia ficar junto com a Bela Adormecida, pois ele não era nem um pouquinho romântico e nem teria paciência para beijá-la! Como o sapo que ficou na lagoa ouvindo a sua música: ?O sapo não lava o pé, não lava porque não quer?..., não estaria presente na sala real na hora de ser beijado para transformar-se em Príncipe. A Rapunzel que deveria estar na janela da torre exibindo o comprimento de suas tranças para ser raptada pelo lindo jovem, saiu cantarolando: ?Pela estrada afora eu vou bem sozinha, levar estas flores para vovozinha?. O mosqueteiro defrontou-se ao espelho e vaidoso perguntou: _ ?Espelho, espelho meu?! Existe um Mosqueteiro mais arrojado do que eu? Enquanto esquecia-se de ser fidedigno ao seu trio! Os Três Porquinhos foram se esconder na ?casa muito engraçada que não tinha teto, não tinha nada? Mas como se trancar para defender-se do Lobo Mau? Alguns Políticos querendo ficar sob a Lâmpada Maravilhosa, ficaram no compartimento da Cinderela, deixando o Plenário na penumbra! Ah, Eles deveriam estar com Ali Babá e os Quarenta Ladrões para escutar o ?Abre-te-Sésamo?!

As crianças já estavam nervosas quando Jesus chegou para conferir o projeto que seria o merecedor de dar continuidade aqui na terra. Porém, vendo toda aquela dispersão, que nem as Histórias estavam sendo verdadeiras, Jesus não aprovou. Porém, ainda deu nova chance para quem quiser permanecer na história, desde que se construam bons projetos.

Agora estamos todos convocados a restaurar e o que foi detonado e a preservar o que ainda está em pé.

 

 

 

             

 

VOLTAR