Um sonho de liberdade
Maria José Tauil
 
 
Lembro muito de uma cena do filme Um sonho de liberdade, quando o personagem principal é submetido ao confinamento da solitária. Um mês depois, ao sair  do terrível castigo que lhe foi imposto, alguém o interroga de como foi possível suportar todo aquele tempo de silêncio e solidão. Ele
respondeu que se ocupou ouvindo música, e que isso ajudou o tempo passar. Indignado, o indagador  fez questão de recordá-lo que não havia qualquer aparelhagem que produzisse som, e que portanto, não existia  possibilidade de ouvir música alguma.Com um sorriso no rosto, o personagem sabiamente
concluiu: não precisava de aparelhos de som para ouvir músicas, pois todas elas já moravam dentro dele.
 
Um outro exemplo, que se encontra no mesmo filme, é a história do homem que cuidava dos livros da biblioteca do presídio.Já em idade avançada, alguns dias após alcançar a liberdade, enforcou-se. Foi prisioneiro durante toda a vida e, ao se tornar livre, descobriu que não saberia viver longe das grades. A morte foi uma forma de cessar o desconforto, pois as chaves abriram a cela, mas não o seu coração.
 
A liberdade é um dom dado por Deus. Todos a recebem, mas é na dinâmica da vida que a recrutamos. É uma vigilância diária. Sempre que a vida nos confinar, devemos recordar a melodia que liberta.  Ninguém prende o pensamento! Que maravilhosa liberdade! E como podemos  viajar! Tudo podemos
no reino da imaginação! Benditos os poetas e os escritores!
 
 Também no amor, torna-se necessário muito zelo para que o relacionamento não se torne um lugar de escravidão. No exercício de um egoísmo cruel, o indivíduo pode acampar na alma de quem  diz amar, transformando-a em extensão de seus desejos e vontades. O outro é um objeto que pode ser
manuseado e dispensado.
 
 
                                                  
    CONHECEREIS A VERDADE
E ELA VOS LIBERTARÁ
 
João 8:32

Temos a liberdade de aceitar tudo o que Deus disse, ou somente as partes que nos interessam. Mas quando decidirmos como responder a ela, devemos lembrar de que nada o que fizermos irá mudar a veracidade de suas palavras.
Aproximadamente há  três mil anos, o escritor de Salmos disse: "Para sempre, ó Senhor, está firmada a tua palavra no céu" (Salmo 119:89). Isto pode nos fazer pensar, talvez até com um pouco de medo, sobre a responsabilidade dada por Deus, de conhecermos a verdade. Para prevenir que sejamos esmagados por esta provocante passagem, não devemos perder esta grande promessa anexada neste trecho. Jesus acrescentou: " vos libertará".
A liberdade é valorizada universalmente. Inúmeras pessoas têm sacrificado suas vidas esforçando-se para assegurarem sua própria liberdade política ou de outrem também. Verdadeiramente, em todas as nações do mundo, o encarceramento é considerado como uma severa punição para aqueles que violam a lei. Tão valiosa quanto a liberdade pessoal e política, também é aquela que Jesus nos fala em João 8:32. Só que esta liberdade é até mais significativa. Nossos pecados nos levam a consequências de vínculos espirituais e mortais - eterna separação de Deus. Jesus se ofereceu para nos libertar das consequências da nossa própria rebelião contra Deus!
Deus não nos força a sermos libertos. Muitas pessoas são enganadas por falsos mestres para que não possam discernir a liberdade do encarceramento . Infelizmente, muitos rejeitam a liberdade que Deus oferece e permanecem presos em seus próprios pecados.
Deus nos providenciou a confiança e a segurança para estarmos aptos a conhecer a verdade. O mesmo Deus que nos criou e nos deu a habilidade de nos comunicar, tem também a habilidade de transmitir sua vontade para conosco de modo que possamos entendê-la. Num mundo desordenado pela dúvida e pela confusão religiosa, nós podemos achar esperança nas palavras de Jesus:
"E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará."   Essa verdade traz a verdadeira libertação.
 
 
 
Meu eu profundo
Reside em cativeiro
Que preciso libertar
Pois ainda não perdi
A capacidade de sonhar
 
A dependência nos medra
Pois  sem liberdade
Perdemos a fala
Nada faz sentido
E  o invasor se instala
 
E onde fica, Senhor,
a capacidade de decidir?
 Preciso enfrentar, sim
Com coragem a travessia
Que ao exílio dará fim
 
Nada mais é artesanal
A beleza ultrapassada
Alinhavos diários
Foram abandonados
Quero liberdade plena
Para a alma aprisionada...
 
E que não seja
Doloroso o processo
De  quebrar  os grilhões!...
 
 
Imagem jpg
Wav: Angels of Venice - Scarborough faire
Arte e Formatação: JoiceGuimarães