O meu amigo, Professor Valter Vitti

ou Lino Vitti, o príncipe dos poetas piracicabanos,

como é, justa e carinhosamente, conhecido

 

«   A vida de mestre escolar, ou professor primário, não é fácil. Sabem-no aqueles que cuidam de abrir as luzes do saber às cabecinhas infantis ? aquele que chamamos de professor primário, mas que na realidade é o desbravador inicial do ensino, aquele que abre  as portas para o futuro, aquele que nivela os montes e os vales da educação. Ninguém chegará a qualquer coisa se não houver antes recebido o bilhete do saber, escrito por aquele idealista mestre-escola, que transmite as letras e a tabuada, com ternura e carinho, como se cada aluno fosse seu filho,

    Faz pouco a educação municipal recebeu mais uma nova escola, com inauguração a 22 de Março, cuja denominação  dignifica o professor primário, com o nome certo e honroso de Professor Valter Vitti, piracicabano originário do bairro de Santana, filho de José e Angelina Vitti, dedicado a distribuir os primeiros lampejos educacionais pelo Brasil afora, o que fez durante mais de 35 anos com amor e coragem, pois são essas duas virtudes que convivem com o mestre-escola, sempre e em todo o lugar.

    Valter nasceu na roça. Fez  primeiros estudos no Grupo Escolar de Santa Ana, hoje, ?dr. Samuel Neves?. Teve excelentes mestres que lhe incutiram na alma o amor ao estudo e à cultura, tanto assim que ao terminar o curso  primário ingressou no Seminário dos Padres Estigmatinos, da cidade de Rio Claro, vocacionado para a vida sacerdotal, onde fez curso ginasial. Todavia, como em geral ocorre, deixou os estudos seminarísticos e retornou aos pagos infantis, onde por alguns anos trabalhou como homem da roça, do que o pai José Vitti não gostava, pois era seu intento que os  filhos recebessem instrução mais aprimorada possível. Assim Valter foi encaminhado aos estudos de professor, onde se diplomou  e, por concurso, ingressou na carreira.

    Entretanto não parecia estar satisfeito porque sua personalidade cultural exigia mais e mais. Faz novos cursos superiores  e parte para ensinar as cabecinhas infantis de longínquas regiões do Estado . Depois avançando mais na senda da cultura foi nomeado Diretor de Grupo, onde se aposentou e hoje recebe o justo e carinhoso prêmio de sua participação no ensino do país: o nome dignificando um estabelecimento escolar de sua terra. 

    Quem não se lembra, depois de chegado à idade adulta; daquela professorinha ou professor carinhoso, martelando horas e horas, dias e dias, anos e anos, seus ensinamentos àquele mundo de cabecinhas curiosas e sequiosas de saber, deixando durante anos e anos uma esteira de luz  e cultura a ilustrar o futuro da sociedade e do país, formando cidadãos dignos e sábios, moldados pelos ensinamentos do mestre-escola?  Quem não sente saudade daquela voz  que diariamente incutia em cada criança um pouco mais de cultura, formando um povo instruído e preparado para ser uma nação condigna de participar das demais nações que ilustram o mundo? Quem não sente vontade de voltar na vida para reencontrar o seu professor ou a sua professora

        E dizer-lhe de joelhos: 

       ?Deus lhe pague?, ?Deus lhe pague?.

   

    É o que Professor Valter dirá aos que o honraram e dignificaram com o seu nome numa 

    escola, pois foi nas salas de aula que deixou sua vida e seu coração. »

 

Lino Vitti ocupa a cadeira nº 47 da Academia Piracicabana de Letras

 

 

 

A COPA VEM AÍ
Crônica de Lino Vitti

 

 

EU E A POESIA

Lino Vitti

 

 O ilustre poeta e homem de letras

 

 

Meus primeiros versos, escritos a medo, pois o seminário religioso não admitia alunos poetas porque a poesia de nada servia para a vida sacerdotal, foram de cunho religioso e dedicados a Nossa Senhora. Não os guardei, mas lembro perfeitamente que agradaram a um clérigo poeta vindo de outra congregação de religiosos para a dos Padres Estigmatinos, e que vaticinou-me: o senhor vai ser um poeta de verdade.

 

Profecia cumprida. Há mais de 60 anos assumi o grato dever de poetar, publicando meus sonetos e poemas nos jornais, revistas e semanários da terra piracicabana, cuja conseqüência foi a edição de 7 livros de poesia e contos, distribuídos aos milheiros ao povo de Piracicaba e, ao que sei, aprovados por ele, tanto que a Academia Piracicabana de Letras me honrou com o significativo título de ?Príncipe dos Poetas Piracicabanos?. Guardo-o com carinho, com alegria, como troféu e prêmio maravilhoso aos meus longos e felizes anos dedicados à arte escrita e rimada dos Bilacs, dos Raimundos Correia, dos Guilhermes de Almeida, dos Gustavos Teixeira, dos Franciscos Lagreca, das Marinas Tricânicos e de outros mais que dignificam a poesia desta, chamada que foi, de Atenas Paulista.

 

O professor universitário de literatura de São Paulo, Hildebrando de André, meu companheiro de seminário no Colégio Santa Cruz de Rio Claro, em correspondência trocada entre nós, afirmou sempre que Piracicaba era uma terra privilegiada, uma terra de poetas verdadeiros, um santuário de poesia ? dizia ele ? que tem a graça de contar com a cooperação feliz dos seus jornais matutinos, semanários, ou revistas, aqueles oferecendo semanalmente uma página de sua edição à poesia dos seus poetas, como podemos ver na sexta-feira, em A Tribuna e aos sábados no Jornal de Piracicaba, a cargo dos escritores Ivana Maria F. de Negri e Ludovico Silva.

 

Poucos têm a felicidade de ver seus poemas e ou sonetos publicados durante seis décadas para mais, por isso me julgo honrado pelos nossos jornais, dignificado pelos leitores da minha terra, realizado na arte dos versos, estrofes e rimas, graças à compreensão dos diretores, editores, paginadores, distribuidores, leitores e todos quantos trabalham para nos entregar a cada manhã, um nobre jornal como o Jornal de Piracicaba, a Tribuna de Piracicaba e o semanário Folha Cidade, todos acolhedores incontestes de minhas elucubrações poéticas de mais de 60 anos.

 

E diante de tão flagrante acolhida, diante do respeito que em Piracicaba a Poesia merece, diante da proliferação da arte que dignificou poetas como Dante, Shakespeare, Victor Hugo, Olavo Bilac, Gustavo Teixeira, Vicente de Carvalho, Guilherme de Almeida, Camões, e uma infinidade de nomes gloriosos e reais poetas, eu me curvo em dar graças a Deus, Poeta Criador do Universo, do Homem e do Amor, por haver premiado o mundo de Poesia e Poetas, e agradecer igualmente aos poetas do mundo e do universo por terem aprendido a Poesia de Deus, e por lhe darem continuidade até a consumação dos séculos, com tanta dedicação e tanto carinho como merece essa graça de Deus.

 

A Poesia é a história dos povos, escrita em estrofes, em versos, em baladas, em sonetos, em poemas, em rimas. Numa linguagem sublimada, figurada, sintetizada, onde falam mais a alma e o coração do que as datas, os fatos, as personalidades, a ciência. Ser poeta é ser beija-flor: sugar o mel da vida, ao librar das asas sempre no espaço e sem tocar o desencanto do solo. É sonhar que se é angelical e não ser nunca envolvido pelo pó. Ser beija-flor, cujos beijos pousam sobre qualquer tipo de flor, sem olhar para a cor, sem olhar para as alturas em que ela bebe a luz do sol, buscando sempre o dulçor melífluo que se esconde no âmago de cada uma delas. Ser poeta é isso: buscar sempre o que é belo, cantar sempre as harmonias das coisas e da vida, ter os pés na terra, mas o olhar nas alturas do infinito. Poesia há de ser alegre, pois se for triste não será poesia, será dor.

 

São mais de 60 anos que poetizo. São mais de 60 anos que me sinto feliz, pois a minha poesia rendeu frutos, foi lida, foi julgada, foi amada. Haja vista que se tempos atrás os poetas eram raros como os diamantes, hoje eles florescem como seara e a poesia deles espalha um perfume de beleza, de sonhos, de encantamento.

 

Graças a Deus, a picada que tentei abrir está transformada em caminho florido.


 

Lino Vitti e sua esposa, professora Dorayrthes S. S. Vitti

 

 

A VIDA LITERÁRIA DO POETA

 

Bafejado por ensinamentos de sábios sacerdotes em colégio de formação religiosa, recebeu extraordinário acervo literário que lhe propiciou enveredar pelo caminho da poesia, da crônica, dos contos, do jornalismo, havendo editado de l959 a 200l sete livros de poesias e contos, com edições em milheiros de volumes, os quais estão aí para satisfazer o gosto daqueles que apreciam a arte literária.

São seus livros : ?Abre-te, Sésamo?, l959; ?Alma Desnuda?, l988; ?A Piracicaba, Minha Terra?, l99l; ?Sinfonia Poética?, de parceria com o poeta Frei Timóteo de Porangaba; ?Plantando Contos, Colhendo Rimas?, l992; ?Sonetos Mais Amados?, l996 e ?Antes que as Estrelas brilhem?, 200l. O poeta conta ainda com o prazer de haver composto hinos para diversos municípios, bairros rurais, entidades sociais diversas, continuando a colaborar ainda, após os 83 anos em colunas literárias e com artigos de ordem geral em jornais da terra.

Faz parte da Academia Piracicabana de Letras, que lhe outorgou o título honorífico de ?PRÍNCIPE DOS POETAS DE PIRACICABA?.

Foi-lhe concedida Pelo Município de Piracicaba, através de sua Secretaria da Ação Cultural, a MEDALHA DE MÉRITO CULTURAL, ? Prof. OLÊNIO DE ARRUDA VEIGA?; é detentor do TROFÉU IMPRENSA, concedido pelo Lions Clube de Piracicaba, centro, e da MEDALHA ITALIANA, concedida pelo governo italiano de Benito Mussolini aos alunos de escolas e seminários de origem daquele país que tivessem se destacado em redação de trabalhos literários escritos na língua de Dante.

O Município de Saltinho, para o qual contribuiu com o Hino dessa comunidade municipal , conferiu-lhe o título de ?Cidadão Saltinhense?.

 

Fonte (SIC): http://poeta-linovitti.blogspot.pt/2013/03/professor-valter-vitti.html


 

 

 

Os sonetos de Lino Vitti

 

 

 

 

SER NAMORADO !
  
Ser namorado! Aurora esperançosa e linda
na gôndola do sonho em lago iluminado!
Manhã sentimental que pensas santa e infinda,
Alma em festa total, coração transtornado!
 
Quando se esfolha o amor é a vez do namorado,
doce e divina é sempre a sua ansiosa vinda.
O amor primeiro é egoísta, indomável, sagrado,
fogo eterno que nunca arrefece ou se finda.
 
Ser namorado! Oh! céus que maravilha imensa
Que futuro, que glória ? o namorado pensa!
Viver a dois, cantando um hino de amorzinho!
 
Mas cuidado, os que andais em busca desse sonho
pois o amor, como flor, que se abre ao sol risonho,
é efêmero e fugaz, é encanto, é vida...é espinho!
 
 
MINHA ESCOLA
  
Eu não sou o poeta dos salões
de ondeante, basta e negra cabeleira.
Não me hás de ver, nos olhos, alusões
de vigílias, de dor e de canseiras.
 
Não trago o pensamento em convulsões,
de candentes imagens, a fogueira.
Não sou o gênio que talvez supões
e nem levo acadêmica bandeira.
 
Distribuo os meus versos quais moedas
que pouco a pouco na tua alma hospedas,
raras, como as esmolas de quem passa.
 
Vou porém me sentir feliz um dia
se acaso alguém vier render-me a graça
de o ter feito ricaço de poesia.
  
 
VAGALUME
   
 
Pirilampo é você - fugaz felicidade -
rabiscando de luz a escuridão noturna.
A noite - como a vida - é cheia de impiedade,
em mistérios ferais como tétrica furna.
 
Você teima porém piscando sem maldade,
perdido no negror da noite taciturna,
fazer de sua luz algo de realidade,
lanterninha a luzir,irrequieta e soturna.
 
Felicidade é assim: são síncopes brilhantes,
instante que se acende e apaga de imediato,
uma ilusão de brilho em risos esvoaçantes.
 
Ser feliz é tal qual vagalume do mato,
é ver que aquela luz feita de mil instantes
não é mais que um fugir veloz e caricato.
 
 
NOITE CAMPESTRE
 
Noite de estio. Na fazenda. Espicho,
cansadíssimo, o corpo langue ao longo
do leito,e, levemente, sem capricho,
por qualquer devaneio a mente alongo.
 
Insônia. Beliscões de carrapicho,
businadas sutís de pernilongo...
Trissam grilose inquieto camundongo
rói aqui, fuça ali, rasgando lixo.
 
O quarto, uma fornalha. Estalam vigas;
pelo telhado rufla uma asa tonta.
descem guinchos diabólicos de briga...
 
Fora, no pez da noite, andam fantasmas;
sua estrelas o céu, de ponta a ponta,
piam corujas nas distâncias pasmas!

 

 

 

Esta foi a minha singela homenagem

ao nobre Poeta e ao estimado Amigo Lino Vitti

 

Pesquisa e edição:
 

Portugal

Maio de 2013

( Fontes: Internet )
 
 
 

 

Tube Still_Life_110

Wav:Songs_From_A_Secret_Garden

 

 

 

VOLTAR