Escrever Poesia

 

A arte do uso das palavras, ou algo mais que isso?

 

 

 

Há quem ache que escrever poesia é só mesmo isso; a capacidade de alguém saber verter num papel, na tela de um monitor de PC, uns quantos versos enriquecidos pelas metáforas que brotam de uma imaginação fértil, irrequieta, e ávida por comunicar ideias e sentimentos. Mas, na realidade, o impulso criador que guia a mão do poeta encontrará, porventura, outros fundamentos nos recantos mais recônditos da sua alma, dessa alma que todos recebemos pela graça do Criador e que por Sua vontade guarda segredos que a nossa consciência não sabe revelar-nos.

Será, portanto, a veia criadora de um poeta fruto de um providencial sopro divino? – A sê-lo, talvez isso explique o encantamento que o seu trabalho produz nos seus leitores pela intensidade emocional que sentem perante a fruição da sua poesia.

 

E. Sá

 

                                  

 

 

 

 

Marcas geniais

(Eugénio de Sá)

 

  

Há magia na pena de um poeta

Como há virtude na tela de um pintor

Que esgrime, com mestria, na paleta

Subtilezas de sombra, luz e cor.

 

Como há nobreza num compositor

Que gesta numa pauta encantamentos

Lavrando notas com o seu amor

E o sopro que lhe inspira esses momentos.

 

São os estados d’alma de uma exaltação

Que mostram desses entes especiais

Quanto os transcende a sua criação!

 

São gente como nós, nossos iguais

Mas quem sabe se no seu coração

Lá estarão as marcas geniais

Que Deus traçou c’o a Sua própria mão?

 

 

 

 

Pesquisa e edição:

( Fontes: Internet )
 

 

 

 

 

Tube Still_Life_110

Wav:Songs_From_A_Secret_Garden

 

 

 

VOLTAR