UM PRANTO AO POR DO SOL

Odir Milanez

Renegada da rua, ela chorava,
enquanto a malta malandrava à toa.
Chorava ao rés do chão, não se arriscava
em chorar como chora uma pessoa.

Chorava simulando que rezava.
Sem soluços, um pranto de ermitoa.
Quinze anos, a idade que lhe dava
de uma vida que a morte inda perdoa.

As vestes rotas, magra, o rosto fundo
afeava a felícia que passava
ignorando o injustiçoso mundo!

Enquanto, satisfeito, o sol dourava
o chão sebento, nauseante, imundo,
renegada da rua, ela chorava!

JPessoa/PB
19.03.2012
oklima


Sou somente um escriba que escuta a voz do vento e o versa versos d'amor...

 

 

Créditos:
Tutorial: Denie Worisch

 


 

 

Tubes: Denise Worisch

Arte e Formatação: Vanda Gigo

Um abraço carinhoso:

 

VOLTAR