A VOZ DE DEUS

 

Aceito, acredito, tenho a certeza que Deus existe!

 Mas dizei-me mortais como eu,

Homens génios de saberes

Escolásticos, aristotélicos,

Discípulos de Lutero ou de Leibnitz,

Que ao longo dos séculos vos interrogastes,

Porque é que Deus

Omnipotente e omnisciente decidiu

Do caos criar o cosmos e a vida? Porquê e para quê?

Simples manobra

Ou para se contemplar na Sua obra?

E porque dotou um só ser – suma excelência –

De alma e de inteligência?

Para O poder conhecer, aceitar ou rejeitar?

E porque é que tudo é restrito, pior ainda, é finito?

Para se medirem distâncias de caminhos

Que cedo irão terminar?

Porquê sujeitar o racional ao prémio ou castigo

Da vida que não pediu?

Porquê o livre-arbítrio e não o éden?

Porquê a triste sorte de doença, dor, guerra e morte?

Não me respondeis? Estou certo de que sabeis!

Oiço a voz de Deus!

 

- E porque queres tu,

A mais perfeita das criaturas que criei

À minha imagem e semelhança, tudo isso quer saber?

Se tudo soubesses, se não descobrisses,

Se não fosses limitado e perecível, o que serias então?

Também serias Deus, ou mais que meu irmão!

É isso que ambicionas ser,

Tu que és Homem, somente Homem.

Tudo, como tu, Eu criei, teve o seu princípio

E terá o seu último momento!

Tudo se esvairá como um sopro de vento…

 

- Pois se eu fosse Deus, faria o Mundo melhor

Não precisava nem do mal nem da dor!

Porquê a criação das criaturas?

Porquê deves ser não só adorado

Como também glorificado?

Tudo vai mal no Mundo,

Que de dogmas nada entende!

 

- A Minha obra é perfeita, mas não tanto quanto Eu,

Porque Eu assim quis e assim quero!

Mas dei-te a Liberdade, Homem,

Para trilhares o teu próprio destino.

Eu sempre acompanho teu caminho,

Mesmo que Me rejeites ou não vejas.

Estou contigo, onde quer que estejas!

 

- Aceito, acredito, tenho a certeza que Deus existe!

“… Não só à Fé, mas à razão me acudo”.

- E Eu te ajudo!

 

Agora melhor sei

Que devo manter um otimismo metafísico,

Saber o que é ser nominalista e entender

O cálculo diferencial,

Os princípios da contradição e da razão suficiente

E espalhar este meu acreditar a toda a gente.

 

Vive o Homem desencantado consigo,

Com os outros, e até com Deus.

Em mim mónada e matéria, que substância contém

Há uma diferenciação intrínseca.

O êxito do finito está no infinito.

Deus pré estabeleceu

O mecanismo metafísico da criação.

O possível queria ser… e foi.

A cada ser Deus matéria e essência deu.

Cada corpo orgânico inteligente, sua alma alberga

E a personalidade integra a alma de cada um de nós,

Mesmo daqueles que perderam sua voz.

 

Almejo, quero ser junto dos meus

Um bem-aventurado emissário de Deus!

 

João Coelho dos Santos

 

do livro

70 - SETENTA - 70

no prelo

 

 

 

 

 

Créditos
Tutorial M-Ap
Imagens da net
Tube Guismo
Arte e Formatação Sandra LC Perazzo
 
 
 
 

 

VOLTAR