"Os clássicos são aqueles livros que chegam até nós
trazendo consigo as marcas das leituras que precederam a nossa
e atrás de si os traços que deixaram na cultura ou nas culturas
que atravessaram ou mais simplesmente na linguagem ou nos costumes " 
                                                                      Ítalo Calvino

 
 
 
DANTE ALIGHIERI
( Retratado por Sandro Botticelli )
 
Entre 21 de maio e 21 de junho, 1265 -  Florença  (Itália)
14/09/ 1321 -  Ravena  (Itália)
 
 
 
Mapa da Itália de Dante
 
 
Filho de importante família florentina, não se sabe a data exata de nascimento de Dante Alighieri, o poeta que definiu e estruturou o idioma italiano moderno. A península Itálica na sua época era um mosaico de pequenos Estados que não compartilhavam sequer a mesma língua ou cultura.

Aos nove anos de idade Dante conheceu Beatrice (Beatriz) Portinari, que seria a musa inspiradora ao longo de sua obra: com 16 anos ele voltou a encontrá-la e escreveu para ela o primeiro de seus famosos sonetos de amor. Dois anos depois, casou-se com Gemma, com quem teve três filhos. O casamento estava combinado entre as famílias desde a infância dos noivos.
 
O amor por Beatriz deu a partida na moda do amor romântico em italiano. A morte da amada, em 1290, levou Dante ao estudo de filosofia latina e religiosa, conhecimentos que inspiraram sua principal obra.

A "Divina Comédia" conta uma viagem imaginária de Dante. O poeta romano Virgílio, seu autor clássico preferido, é o guia no caminho pelo Inferno e Purgatório, onde se encontram personalidades históricas e muitos poderosos da época. No Paraíso, Dante é levado por sua amada Beatriz, a um final feliz.
 
O sentido original da palavra comédia (commedia, em italiano) era oposto ao de tragédia, que terminava mal para os personagens. O poema tem estrutura épica, base filosófica, e foi escrito na língua toscana, muito próxima do italiano atual. No final do século 13, Dante Alighieri afirmava que essa língua chamada de vulgar, isto é, o vernáculo, era ainda mais nobre que o latim, pois não era artificial e nem privilégio de poucos.

A decisão de Dante de escrever seu grande poema em italiano, a língua falada pelo povo - e a inovação, no século seguinte, da imprensa de tipos móveis, foram marcos na alfabetização e na liberalização da sociedade européia.

O poeta foi médico-farmacêutico, mas não estava interessado na profissão. Entrou na guilda (corporação de ofício) dos boticários por causa de uma lei de 1295, que reservava os cargos públicos a nobres membros de alguma Corporação de Artes e Ofícios.
 
Dante combateu ao lado dos cavaleiros florentinos, em 1289, contra os de Arezzo. De 1295 a 1300, fez parte do Conselho dos Cem, que governava a cidade. Ele chefiou uma delegação de embaixadores de Florença a Roma, para negociar a paz com o papa Bonifácio VIII, que enviara uma tropa para pacificar a região da toscana. Exceto Dante, a comitiva retornou à cidade. Enquanto ele estava retido pelo papa, a cidade foi ocupada por uma facção rival, que matou a maioria dos membros do partido ao qual o poeta era ligado.
 
Dante foi condenado ao exílio pelo novo governo de Florença. Se fosse capturado por soldados da cidade seria queimado vivo. Após passar por vários principados, em 1318, ele foi convidado para ser hóspede de Guido Novello da Polenta, príncipe de Ravena, onde morreu em 1321, o mesmo ano em que terminou de escrever os versos do Paraíso, a parte final de sua "Divina Comédia".
 
Fonte: Uol-educação

 


 
 
Nota in Wikipédia
 
Em julho de 2008, o Comitê Cultural de Florença revogou o exílio e concedeu a seus herdeiros, como forma de compensação a mais alta honraria da cidade, Il Fiorino D'Oro. A proposta, aprovada na câmara de vereadores da cidade, foi apresentada pelo vereador Enrico Bosi, do Partido Povo da Liberdade, tendo sido aprovada por apenas um voto acima do quórum mínimo, uma vez que recebeu oposição de muitos vereadores da esquerda, que a consideraram apenas uma forma de beneficiar o único herdeiro vivo de Dante, Peralvise Serego Alighieri, um produtor de vinho da região de Valpolicella.

 

  
 
"Deixai, ó vós que entrais, toda a esperança!"
 
 
 
 
Eugène Delacroix  - Dante e Virgílio no Inferno
 
 
 
 
 
 
"Dante é mais conhecido por sua monumental obra-prima literária. A Divina Comédia, um relato vivido e brutal de sua descida ao Inferno, de sua jornada pelo Purgatório e, por fim, de sua ascensão ao Paraíso para entrar em comunhão com Deus. Pelos padrões modernos, A Divina Comédia não tem nada de cômico. É chamada de comédia por um motivo bem diferente. No século XIV, a literatura italiana era obrigatoriamente dividida em duas categorias. A primeira, a tragédia, representava a alta literatura e era escrita em italiano formal. A outra, a comédia, representava a baixa literatura, era escrita em vernáculo e destinada a ser lida pela população em geral.

A Divina Comédia foi escrita em vernáculos, ou seja, na língua do povo. Mesmo assim, mesclava de forma brilhante religião, história, política, filosofia e análise social em uma tapeçaria ficcional que, embora erudita, não deixava de ser plenamente acessível às massas. A obra se tornou de tal forma um pilar da cultura italiana que o estilo literário de Dante foi considerado responsável pela própria codificação da língua italiana moderna.

Louvado como uma das maiores obras da literatura mundial, O Inferno, era o primeiro dos três livros que compunham A Divina Comédia, de Dante Alighieri - um poema épico de 14.233 versos que descreve sua brutal descida ao mundo inferior, a jornada pelo Purgatório e, por fim, a chegada ao Paraíso. Das três partes da Comédia - Inferno, Purgatório e Paraíso - , o Inferno é de longe a mais lida e a mais memorável.

Composto por Dante Alighieri no início do século XIV, o Inferno redefiniu a percepção medieval da danação. Antes dele, a idéia do mundo inferior nunca havia fascinado as massas de forma tão arrebatadora. Da noite para o dia, a obra de Dante cristalizou esse conceito abstrato em uma visão nítida e aterrorizante - visceral, palpável,
inesquecível. Como era de se esperar, a pós a publicação do poema, ouve um enorme aumento no número de fiéis da Igreja Católica, graças aos pecadores aterrorizados que buscavam evitar a versão atualizada do Inferno, imaginada por Dante.

O Inferno de Dante criou um mundo de dor e sofrimento nunca antes imaginado pelo homem e definiu nossas visões modernas do Inferno.
 
Fonte:  Inferno - Dan Brown - Editora Arqueiro

 

 
 
 
 
Leitura dos quadros conforme descrição no livro Inferno de Dan Brown
 
 
 
 
Pintura de Michelino, que mostra Dante em pé diante dos portões de Florença segurando um exemplar do seu poema épico. Ao fundo a montanha dividida em terraços do Purgatório se erguia bem alto acima dos portões do Inferno. Esta pintura é conhecida como Il Duomo.
 
 
 
 
Dante no Exílio
 
"Ó, vós, na possessão de tão robustos intelectos... observai os ensinamentos que se escondem sob o véu destes estranhos versos"  - Essas palavras vêm de uma das estrofes mais conhecidas do Inferno de Dante - É quando o poeta instiga seus leitores mais inteligentes a buscarem os ensinamentos ocultos em seus versos enigmáticos.
 
 
 
INFERNO
 
CANTO I (trecho inicial)
 

No meio do caminho desta vida
me vi perdido numa selva escura,
solitário, sem sol e sem saída.
 
Ah, como armar no ar uma figura
desta selva selvagem, dura, forte,
que, só de eu a pensar, me desfigura?
 
É quase tão amargo como a morte;
mas para expor o bem que encontrei,
outros dados darei da minha sorte.
 
Não me recordo ao certo como entrei,
tomado de uma sonolência estranha,
quando a vera vereda abandonei.
 
Sei que cheguei ao pé de uma montanha,
lá onde aquele vale se extinguia,
que me deixara em solidão tamanha,
 
e vi que o ombro do monte aparecia
vestido já dos raios do planeta
que a toda gente pela estrada guia.
 
Então a angústia se calou, secreta,
lá no lago do peito onde imergira
a noite que tomou minha alma inquieta;
 
e como náufrago, depois que aspira
o ar, abraçado à areia, redivivo,
vira-se ao mar e longamente mira,
 
o meu ânimo, ainda fugitivo,
voltou a contemplar aquele espaço
que nunca ultrapassou um homem vivo.
 
(...)
 
Tradução: Augusto de Campos
 

 

 

  
 
 
Obras de Dante Alighieri:
 
- Divina Comédia (obra mais importante e mais conhecida)
- De Vulgari Eloquentia ("Sobre a Língua vulgar")
- Vita Nova ("Vida Nova")
- Le Rime - ("As rimas")
- Il Convivio - ("O Convívio")
- Monarchia - ("Monarquia")
- "As Epístolas"
- "Éclogas"
- "Quaestio" de aqua et terra"
 
 
 
Sete eixos do pensamento de Dante:

 
Conforme estudo no livro DANTE O INICIADO- Uma mensagem para os tempos futuros - Robert Bonnell - Madras Editora Ltda.
 
"A Divina comédia é um poema no qual se reúnem todos os gêneros - épico - místicos e filosóficos e no qual se conta uma história. É a obra de um Mestre que incluiu, como em uma catedral, toda a ciência espiritual da Idade Média. É preciso dizer que nela existe uma mensagem para o nosso tempo, na qual maravilhosa aventura da ciência moderna procura desvendar perspectivas desse além do sensível e do racional, que foi o objetivo essencial da ciência medieval."  (Louis Lallement - In: Dante o Iniciado)

1 - Dante é um"  místico autêntico" e um mestre espiritual que se coloca no cenário como um "Adepto", um "iniciado" em busca da imortalidade. Ele é guiado sucessivamente por Virgílio, mestre da Razão Humana; por Beatriz, mestra da Sabedoria Divina, e por São Bernardo, mestre iniciador Divino.
 
2 - A decodificação do que podemos chamar de simbolismo geral da Divina Comédia passa pelas duas óticas exaltadas na Mitologia Antiga: o simbolismo natural e o simbolismo humano mesclados segundo uma "alquimia" sutil.
 
3 - A língua italiana comum, também denominada linguagem "popular", adotada por Dante, em vez do latim em vigor na época, permite ao poeta situar esse simbolismo em uma ampla gama de expressões: afetiva, poética e intelectual.
 
4 -Um mundo de referências se desenvolve para quem sabe percebê-las, por meio de toda uma cosmologia, uma psicologia, uma filosofia e uma ciência que pertencem a essa época dos séculos XIII e XIV.
 
Mas esse Homem. Corpo, Alma e Espírito, situado entre o Céu e a Terra e ligado ao Cosmos inteiro e a Deus, ao qual Dante se refere, está claro que não pertence somente à Idade Média. Ele se insere totalmente em nossa perspectiva astrológica atual da Era de Aquário.
 
5 - A dimensão verdadeiramente "permanente e universal" se exprime com muita clareza na famosa epístola que o poeta juntou ao seu manuscrito, confiado ao seu protetor do momento, Can Grande Della Scala.
 
De fato ele especifica sua vontade de ensinar aos homens que vivem neste mundo como escapar de seu estado miserável e alcançar a Felicidade. Aqui se trata da Salvação sob a ótica cristã, e da maneira de realizá-la, mas isso, ainda assim, com conotações
gnósticas.
 
A busca de Deus, sob a inspiração do Amor e o atrativo Divino personalizados em primeiro lugar por Beatriz, tem um duplo efeito  na busca da Luz e da Sabedoria, que também passam pelo Conhecimento.

Existem três aspectos para a via da salvação tal como Dante a evoca: a Teologia, a Cosmologia e Antropologia. Somente o domínio desses três aspectos, evocados pelo poeta no transcurso de sua viagem iniciática nos três mundos do Inferno, do Purgatório e do Paraíso, permite alcançar o objetivo.
 
6 - Cada um desses três mundos visitados apresenta-se como uma etapa específica da busca espiritual:
 
O Inferno, mundo físico, corresponde à provação de toda a dimensão corpórea e material do Homem. Do ponto de vista alquímico, ele corresponde ao quadro da Obra em Negro.
 
O Purgatório, mundo do Microcosmo Humano, corresponde às provações do resgate e da purificação. Do ponto de vista alquímico, ele corresponde ao quadro da Obra em Branco.
 
O Paraíso, o mundo do Cósmico e do Divino, corresponde à União com Deus e com o Cosmos por inteiro, ao contato de todos os Bem-Aventurados. Do ponto de vista alquímico, ele corresponde ao quadro da Obra em Vermelho.
 
É preciso notar que, segundo o poeta, o Paraíso Terrestre situa-se no pico da Montanha do Purgatório e, portanto, está ligado a esse segundo mundo.
 
7 - Dante encontra nesses três mundos, com exemplos de valor, todo um conjunto de personagens ou monstros, emprestados da Mitologia Antiga: de personagens contemporâneos e pertencendo à sua "vivência"; de mestres espirituais e, finalmente, as hierarquias celestes e os Bem-Aventurados de todos os tempos.
 
Eles encarnam, em lugares e circunstâncias particulares, os diversos arquétipos de comportamento, os vícios e as virtudes, as perversões e os valores da evolução e de transcendência, até o êxtase final do poeta ao Empíreo, céu eterno e imóvel.
 
Como conclusão desses grandes eixos de pensamento, Dante se coloca em cena como um aspirante que, consciente das condições do homem após a queda original, procura na perspectiva de duma alquimia espiritual transmutar-se para realizar, segundo a bela fórmula de Louis Lallement: "A União Transformadora com Deus" 

 

 


 
 
Imagens retiradas da NET
Wav: Mozart
Arte e Formatação: JoiceGuimarães
 
 
 
 
VOLTAR