Meu nome completo: Nídia Vargas Potsch, Nickname - @Mensageir@
Data de Nascimento: 22/09/1945 - Natural: Rio de Janeiro
Profissão: Pedagoga aposentada
Sígno - Virgem; Ascendente: Capricórnio
Uma Paixão: A Magia da Vida; Um Amor: A família
Uma Crença: Deus sob todas as formas.
Um Dengo: Minha filha. Uma Saudade: Meus Pets que se foram.
Hobby: Escrever, fotografar, viajar.
Frase que norteia minha Vida:
"Onde quer que vás, leva o teu coração!" (Confúcio)

Comecei a me interessar por poesias há algum tempo,
pois escrevia apenas textos. A Poesia me abriu um
Mundo Novo de prazeres infindos. Não me considero Poeta.
Gosto de brincar com a força e o efeito das palavras
que atingem nossa alma e coração ...
Portanto, sou uma Rabiscadora de Emoções e Sentimentos.

Aquelas Rosas
Nídia Vargas Potsch

Das magníficas rosas que me deste
Lembro ainda o perfume persistente
Daquele aroma delicado e agreste
Que fica n'alma e não nos sai da mente...

Hoje, pétalas num livro já esquecidas
Pelo tanto de tempo que passou,
Estão fanadas... amarelecidas
Sem o viço do amor que se acabou...

Cultivo nova rosa na lembrança
Qual se ela revivesse a antiga aliança,
Florindo em jarra de beleza casta.

Não que eu queira retê-la por adorno,
Mas ver nela a esperança de um retorno,
Malgrado a solidão que nos afasta!

@Mensageir@
Rio, 26/07/2010

Ao Rodar do Vento...
Nídia Vargas Potsch

Roda vento, roda!
Gira tuas pás da voracidade,
corre com teu som sibilante
a tocar e trocar tudo de lugar...

Levanta vôo avezinha
e não te importes.
Não, não te importes
se não chegares...
O que importa, portanto,
é que estás indo...

Alcançar o doce Nirvana,
não é para todos!
O caminho está desimpedido, livre,
mas os obstáculos são muitos,
estão por toda parte...
E o vento oscilante
entre o fraco e o forte, está
a magoar olhos atentos
e passos diligentes...

Roda vento, roda!
Gira e traz o mundo a teus pés!
Chacoalha tudo de uma vez
e todos, num caos desigual,
misturando pensamentos,
desejos, culpas,
abortando sonhos, ilusões...

Crie um ser esdrúxulo,
irrequieto, inquietante,
que faça da poesia
seu alento e forma de viver,
que declame
alto e bom som,
versos decaídos,
saídos do lixo dos intransigentes,
para que o Universo inteiro saiba
que a Poeta está
à deriva, à míngua...

@Mensageir@
Rio, 2010

Código do texto: T2640664



Flores na janela...
Nídia Vargas Potsch

Suave perfume no ar
Menina na janela... à espera.
Tece sonhos, tímida aguarda...

Pequeninas flores coloridas,
com nuances cor-de-rosa
camuflam as faces ruborizadas
num cenário de pura mágica...

Neste santuário encantado
borboletas pequeninas
voam solitárias ou em par...

De repente, o clique de uma câmara
capta o belo momento
perpetuando o instante terno.

E lá na parede do casarão
podemos ver até hoje
linda e assustada adolescente
repleta de flores e borboletas ao redor...

Quem será, muitos indagam?

@Mensageir@
Rio, 16/01/2012



Poetas... Grandes Poetas...
Nídia Vargas Potsch

Grandes Paixões pela Vida,
Pelo inusitado das Rimas,
Dos amores buscados e fracassados...

Expressos pelas Lições da Existência
Dadas e Recebidas...

De Amizades perdidas e reconquistadas,
Através do isolamento, ou ostracismo,
Muitas vezes aguardando escassos reconhecimentos...

Ah, Temperamentais emoções incontidas,
Que muitos extravasam através das Poesias...

Verdade ou Mentiras?
Anjos ou Demônios?
Como saber!

Sedutoras Criaturas Viventes, Eles Todos São!

VERDADEIRA CAIXINHA DE SURPRESAS!!!

@Mensageir@
Rio, 06/01/2012



Tempo das Borboletas
Nídia Vargas Potsch

E a Vida...? E a Vida corre ligeira...
Sem se importar que alguém a acompanhe.
Como o rio corre pro mar,
veloz, continua, dia e noite, madrugada à dentro
num eterno jogo de gato e rato,
que fez a borboleta perder a carona... e se fez
escapar e escorrer por entre seus dedos feito areia fina...

Prosseguimos... Prosseguir porque nos foi dado Viver!

O Veleiro da Existência
ancora à procura de portos paradisíacos,
de vivências e experiências atraentes ao olhar,
de colorido e de melodia suave e bela...
Sempre há uma canção no inconsciente,
quase nunca a percebemos,
como o ritmo da onda
que governa o coração do Homem.

E o Marinheiro experiente navega tranquilamente
ajustando as velas, seguindo seu rumo...

Se o inverso se dá, à procura de cais sombrios,
tristes e esfumaçados, com tonalidades gris
da solidão da alma de seu Comandante,
este será o caminho escolhido,
por mais que lhe doa...

Acontece que o braço da Sorte ou Sina,
para quem preferir, com o passar do Tempo,
o alcança e o conduz, à revelia, a mares navegáveis,
obrigando-o a tomar novo rumo, nova direção...

Porque a Esperança deve sempre morrer por último...
E novas borboletas alçarão novos vôos...

@Mensageir@
Rio, 17/12/2011




Um Amor como esse...
Nídia Vargas Potsch

Brotou da calmaria dos ventos
Carregou longe a boa semente
Atravessou mares, os elementos,
Perscrutou sentimentos dormentes...

A imaginação correu solta
em sonhos alados, sensuais, tão doces
e ternos que arrepiaram a alma...

Fazendo-me lembrar
dos instantes verdadeiramente mágicos
em que teus lábios tocariam os meus.

Das carícias envolventes
que me arrastam em tua direção
sempre que nos aproximamos,
seja de que maneira for...

Da eletricidade que corre
pelo meu corpos ante nossos
olhares de desejos incontidos...

De todas as vezes em que nos falamos,
e ouço embevecida tua voz,
a me acarinhar com volúpia e arrebatamento.

Dos teus abraços cálidos e exigentes,
onde desejo me refugiar e me entregar
com prazer e deleite... a essa paixão...

Um amor como esse
que revela totalmente esta grande emoção,
deveria ser preservado "ad eternum..."

@Mensageir@
Rio, 10/01/2012

Local na rede em que meus poemas são editados: